O Ser Criança e Sua Representação na Obra Literária “infância” de Graciliano Ramos

Nome: Lucimar Simon
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 24/08/2018
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Jurema José de Oliveira Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Adriana Pin Examinador Externo
Elizabete Gerlânia Caron Sandrini Suplente Interno
Jurema José de Oliveira Orientador
Luís Eustáquio Soares Examinador Interno
Wander Melo Miranda Suplente Externo

Resumo: Infância, publicado em 1945 é um dos romances do escritor alagoano Graciliano Ramos. A obra se destaca pelos traços memorialísticos, ou seja, narrativas que ficam entre a história e a ficção. Porém, não deve ser considerada como algo que relata a vida do autor ou um texto exclusivamente biográfico. Na narrativa, nos deparamos com situações que ficam entre passado e presente em um processo em que o narrador relembra e analisa situações recordadas em seu cotidiano. Propomos como elemento de discussão para esta dissertação uma análise da representação da criança e da infância apresentada no texto literário com base no que chamamos de tripé institucional, expressão cunhada a partir da verificação de uma composição de forças e poderes que estão presentes na narrativa de Graciliano
Ramos. Família, Estado e Igreja são as instituições sociais que formam a base deste tripé que tem como objetivo a educação e formação social da criança. São estes elementos e suas representações que geram as ideias forças que estão no cerne da composição textual e que seguem permeando todo o desenvolvimento do texto literário e da vida da criança em suas ações e relações com o mundo social apresentado.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910