Faces e contrafaces do tempo róseo-drummondiano: A rosa do povo como jardim da cesura e da conciliação

Nome: Adilson Vilaça de Freitas
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 28/05/2007

Resumo: Este estudo se propõe a examinar ponto de cesura na obra poética de Carlos Drummond de Andrade, destacando como objeto de investigação o livro A rosa do povo, de 1945. A proposta segue além daquela de apenas delinear notória cisão — no caso, confirmar declaração de A rosa do povo como texto que encerra a primeira fase de Drummond — pois, ainda, objetiva flagrar e produzir certo inventário do diálogo, de conciliações, entre o período antecedente e aquele posterior ao livro analisado. O rumo metodológico do exame define-se pelo paradigma indiciário, com viés benjaminiano, buscando por meio da chave das palavras tempo, memória, identidade sociocultural e utopia a compreensão da poesia sócio-histórica que acentua a vinculação do poeta àquela sua época: herança, enlace, devir.

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910