Tópicos Especiais XXX

Código: PLET-5546
Curso: Mestrado em Letras
Créditos: 1
Carga horária: 15
Ementa: O epigrama, apesar de não figurar dentre os gêneros poéticos ditos elevados, como a tragédia e a épica, é gênero que teve grande aceitação entre os antigos gregos e romanos, pois que cultivado por muitos autores e – se se crê em Marcial – muito apreciado pelo leitor de sua época. Pouco estudado entre os acadêmicos brasileiros no passado, vem, porém, recentemente, recebendo cada vez mais a atenção de nossos estudiosos. A disciplina proposta se insere, pois, nesse panorama de florescimento de estudos sobre o referido gênero, ainda que ela vá se limitar ao epigrama antigo escrito em latim, mais especificamente à obra de Marco Valério Marcial.

Assim, o curso, depois de brevíssima introdução sobre as origens e desenvolvimentos do gênero epigramático – em grego e em latim – antes de Marcial, será totalmente centrado na obra desse autor, o maior expoente individual do epigrama na Antiguidade. Serão abordados de forma resumida os mais diversos aspectos de sua poesia, tais como os metros adotados, as principais vertentes temáticas, o contexto histórico de produção e recepção de seus textos, as técnicas de geração de humor e comicidade, a concepção de poesia e de epigrama presentes em suas quase três centenas de metapoemas, os efeitos de sentido gerados pela rica rede intertextual que se estabelece entre a sua obra e a de outros autores gregos e latinos, a hábil organização interna dos epigramas dentro dos livros etc.

A disciplina compreenderá quatro aulas expositivas, mas uma parte de cada uma delas será dedicada à leitura e tradução minuciosa dos poemas, atividade essa que será realizada conjuntamente em sala de aula, após uma prévia tradução em casa pelos discentes. É, pois, desejável, embora não obrigatório, algum conhecimento da Língua Latina.
Bibliografia: AGNOLON, Alexandre. O Catálogo das Mulheres: os epigramas misóginos de Marcial. São Paulo: Humanitas, 2010.

BARCHIESI, Alessandro. “Some Points on a Map of Shipwrecks”. In: _______. Speaking Volumes. Narrative and intertext in Ovid and other Latin Poets. Trad. inglesa de Matt Fox e Simone Marchesi (original italiano: Otto punti su una mappa dei naufragi, 1997). London: Duckworth, 2001, pp. 141-154.

CESILA, Robson T. O palimpsesto epigramático de Marcial: intertextualidade e geração de sentidos na obra do poeta de Bílblilis. Campinas, 2008. Tese (Doutorado em Linguística/Letras Clássicas). Instituto de Estudos da Linguagem, UNICAMP.

__________. Metapoesia nos epigramas de Marcial: tradução e análise. Campinas, 2004. Dissertação (Mestrado em Linguística/Letras Clássicas). Instituto de Estudos da Linguagem, UNICAMP.

__________. “Mecanismos de produção de humor nos epigramas de Marcial”. Letras Clássicas, São Paulo, v. 7, 2007, pp. 151-169.

DEZOTTI, José Dejalma. O Epigrama Latino e sua expressão vernácula. São Paulo, 1990. Dissertação (Mestrado em Letras Clássicas e Vernáculas). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP.

FEDELI, Paolo. “As interseções dos gêneros e dos modelos”. In: Cavallo, G., Fedeli, P., Giardina, A. (org.), O espaço literário da Roma antiga (vol. I: A Produção do Texto). Tradução de Daniel Peluci Carrara e Fernanda Messeder Moura. Belo Horizonte: Tessitura, 2010, pp. 393-416.

LEITE, Leni Ribeiro. Marcial e o Livro. Vitória : Edufes, 2011.

__________. O patronato em Marcial. Rio de Janeiro, 2003. Dissertação (Mestrado em Letras Clássicas). Faculdade de Letras, UFRJ.

MARCIAL. Epigramas. Tradução de Delfim Ferreira Leão (Livro dos Espetáculos, livros IV, VII, XI e XIII), José Luís Brandão (livros I, II, VI, IX e XII) e Paulo Sérgio Ferreira (livros III, V, VIII, X e XIV); introdução e notas de Cristina de Souza Pimentel. Lisboa: Edições 70, 2000 (v. I-II), 2001 (v. III) e 2004 (v. IV).

MARTIAL. Epigrams. Edited and translated by D. R. S. Bailey. The Loeb Classical Library. Cambridge: Harvard University Press, 1993.

__________. Épigrammes. Texte établi et traduit par H. J. Izaac. Paris: Les Belles Lettres, 1930 (v. I), 1933 (v. II, parte II), 1961 (v. II, parte I, 2. ed.).

PIMENTEL, C. S.; LEÃO, D. F.; BRANDÃO, J. L. L. (coord.). Toto notus in orbe Martialis. Celebração de Marcial 1900 anos após sua morte. Humanitas, Coimbra: IEC/CECH; Lisboa: DEC/CEC, 2004.

SULLIVAN, J. P. Martial: the unexpected classic. Cambridge: CUP, 1991.

SWANN, Bruce. Martial’s Catullus: the reception of an epigrammatic rival. Hildesheim: Olms, 1994.

VASCONCELLOS, Paulo Sérgio de. Efeitos intertextuais na Eneida de Virgílio. São Paulo: Humanitas, 2001.

WOLFF, Étienne. Martial ou l’apogée de l’épigramme. Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2008.

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910