Literatura e Tradução

Código: PLET-5514
Curso: Mestrado em Letras
Créditos: 4
Carga horária: 60
Ementa: Estudo de aspectos teórico-metodológicos da tradução literária. Confronto entre diversas teorias da tradução literária, discutindo aspectos linguísticos, culturais, e literários envolvidos na tradução a partir de abordagens como a desconstrutivista, a funcionalista, a cultural, a linguística, e estudos de corpora. O confronto entre diversas abordagens permite estabelecer um olhar crítico sobre seus limites e suas aplicações, assim como possibilita a seleção da (s) abordagem (s) mais apropriada (s) para o estudo do fenômeno da tradução literária. Abordagens descritivo-históricas também são contempladas propondo contextualizar a prática da tradução e os estudos de tradução, especialmente no Brasil.
Bibliografia: 1. ALVES, F., MAGALHÃES, C., PAGANO, A. Traduzir com autonomia: estratégias para o tradutor em formação. São Paulo: Contexto, 2000.
2. ARROJO, Rosemary (Org.). O signo desconstruído. Implicações para a tradução, a leitura e o ensino. Campinas, SP: Pontes, 1992.
3. AUBERT, Francis. Modalidades de tradução: teoria e resultados. TradTerm, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 99-128, 1998.
4. BAKER, Mona. Routledge Encyclopedia of Translation Studies. London: Routledge, 2001.
5. BARBOSA, Heloísa Gonçalves. Procedimentos técnicos da tradução. Uma nova proposta. Campinas: Pontes, 2004.
6. BASSNETT, Susan. Estudos de tradução. Fundamentos de uma disciplina. Tradução Vivina de Campos Figueiredo. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003.
7. ______; TRIVEDI, Harish (Ed.). Post-Colonial Translation. New York: Routledge, 1999.
8. BERMAN, Antoine. La traduction et la lettre ou l’auberge du lointain. Paris: Seuil, 1999.
9. BORGES, Jorge Luis. "Pierre Menard, autor do Quixote". Ficções. São Paulo: Abril Cultural, 1972.
10. BRITTO, Paulo Henriques. Desconstruir para quê? Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 2, n. 8, p. 41-50, 2001.
11. CAMPOS, Haroldo de. Metalinguagem e outras metas. São Paulo: Perspectiva, 2002.
12. CATFORD, John Cunnison. Teoria linguística da tradução: um ensaio de Linguística Aplicada. São Paulo: Cultrix, 1980.
13. CRONIN, Michael. Translation and Globalization. London and New York, Routledge, 2003.
14. DERRIDA, Jacques. Torre de babel. Belo Horizonte: UFMG, 2002.
15. EVEN-ZOHAR, Itamar. Polysystem studies. Durham NC: Duke University Press, 1990.
16. FROTA, Maria Paula. Um balanço dos estudos da tradução no Brasil. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 1, n. 19, p. 135-169, 2007.
17. GENTZLER, Edwin. Contemporary Translation Theories. New York: Routledge, 1993.
18. GLEINISSON, P.; GLANZEL, W.; PERSSON, O. Combining full-text analysis and bibliometric indicators. A pilot study. Scientometrics, v. 63, n. 1, p. 163–180, 2005.
20. JAKOBSON, Roman. Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1975.
21. LARANJEIRA, Mário. Sentido e significância na tradução poética. Estudos Avançados, São Paulo, v. 26, n. 76, p. 29-37, 2012.
22. LEFEVERE, André. Translating Literature. Practice and Theory in a Comparative Literature Context. New York: The Modern Language Association of America, 1992.
23. ______. Translating, Rewriting and the Manipulation of Literary Fame. London: Routledge, 1992.
24. ______ (Ed.). Translation. History. Culture. A Sourcebook. London: Routledge, 1992.
25. MESCHONNIC, Henri. Poétique du traduire. Lagrasse: Verdier, 1999.
26. MILTON, John. Tradução. Teoria e prática. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
27. MOUNIN, Georges. Os problemas teóricos da tradução. São Paulo: Cultrix, 1975.
28. NEWMARK, Peter. A Textbook of Translation. New York: Prentice Hall, 1988.
29. NORD, Christiane. Translation as a Purposeful Activity: Functionalist Approaches Explained. Manchester: St. Jerome Press, 1997.
30. PAES, José Paulo. Tradução, a ponte necessária. Aspectos e problemas da arte de traduzir. São Paulo: Ática, 1990.
31. PLAZA, Julio. Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, 2003.
32. REIß, Katharina; VERMEER, Hans. Towards a General Theory of Translational Action: Skopos Theory Explained. Translated by Christiane Nord, English Revised by Marina Dudenhöfer. Manchester: St. Jerome, 2013.
33. RICOEUR, Paul. Sur la traduction. Paris: Bayard, 2004.
34. ROVIRA-ESTEVA, S.; ORERO, P.; FRANCO AIXELÁ, J. Bibliometric and bibliographical research in translation studies. Perspectives, v. 23, n. 2, 159–160, 2015.
35. SARDINHA, Tony Berber. Corpora eletrônicos na pesquisa em tradução. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 1, n. 9, p. 15-59, 2002.
36. SELIGMANN-SILVA, Márcio. Globalização, tradução e memória. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 1, n. 4, p. 151-166, 1999.
37. SIMON, Sherry. Gender in Translation. Cultural Identity and the Politics of Transmission. London: Routledge, 1996.
38. STEINER, George. After Babel: Aspects of Language and Translation. Oxford: Oxford University Press, 1998.
39. VENUTI, Lawrence. The Translator’s Invisibility: A History of Translation. New York: Routledge, 1995.
40. WHITE, H. D.; McCAIN, K. W. Visualization of Literatures. Annual Review of Information Science and Technology, n. 32, p. 99–168, 1997.
41. WYLER, Lia. Línguas, poetas e bacharéis: uma crônica da tradução no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco, 2003.

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910